Encontro SBGC Reúne Especialistas para Debate Sobre Gestão do Conhecimento Empresarial

SBGC Pessoas Conectadas, Conhecimento Distribuído

Em parceria entre a Eventials e a SBGC (Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento), o Encontro SBGC: Pessoas Conectadas, Conhecimento Distribuído reuniu especialistas em Gestão do Conhecimento Empresarial para debater sobre as principais tendências e desafios para profissionais responsáveis pelo desenvolvimento de equipes organizacionais.

O evento aconteceu na última quarta-feira (8) e contou com a participação de mais de 1.000 pessoas que acompanharam e participaram da transmissão, ao vivo, para todo o Brasil. O público ainda pôde interagir por meio de perguntas e um bate-papo ao final de cada apresentação.

Conheça os Palestrantes do Encontro SBGC

Marcelo Yamada – PromonLogicalis: Gestão do Conhecimento em Rede na Prática

Luiz Fernando de Souza – Eventials: Tecnologia e Distribuição do Conhecimento

André Saito – SBGC: 10 Dicas de Como Gerenciar o Conhecimento Distribuído.

Veja o que Foi Destaque Durante o Encontro SBGC

Gestão do Conhecimento em Rede na Prática, com Marcelo Yamada

Para assistir, clique na imagem ou acesse por aqui

“O Conhecimento é composto por uma estrutura que se divide em quatro partes: Pessoas, Processo, Ferramenta e Relacionamento“, conceituou Marcelo Yamada, que abriu os diálogos do dia.

Processo

Yamada apontou o pilar de Processo como um dos maiores desafios para os gestores: “Na Gestão do Conhecimento, os processos são importantes, pois garantem a execução das atividades com o padrão de qualidade esperado“.

Ferramentas

Considerando a estrutura demonstrada por Marcelo Yamada, Ferramentas aparecem como fundamentais, já que, o conhecimento, cada vez mais tem sido automatizado. Segundo ele, “temos o conhecimento como ação que não reside no indivíduo”.

Relacionamento

“O que sobra para as pessoas executarem é o conhecimento sobre a relação com as outras pessoas e com a subjetividade, aquilo que é humano.”, ponderou Yamada.
Marcelo Yamada destacou que é preciso diferenciar Gestão do Conhecimento de Gestão da Competência: “A Gestão do Conhecimento precisa estar alinhada à cultura da empresa, e isso diz respeito ao modo de executar tarefas; a Gestão da Competência diz respeito às pessoas. São modelos de gestão complementares.”

Ele também ressaltou que a Gestão do Conhecimento trata de matérias como habilidades, atitudes e saberes. “Tudo isso está consolidado sobre o saber, o saber fazer, e o ser”, concluiu.

Arquitetura Para Gestão do Conhecimento e da Competência

Yamada destacou que é fundamental estruturar um sistema para a gestão dessas competências: “Estabelecer um conjunto de regras e diretrizes, que é o conjunto de processos, para que executemos as ações e projetos de forma correta.”

Para que haja uma boa arquitetura, que permita uma estruturação como essa, ele ressalta a importância das ferramentas de TI.

Responsabilidade na Gestão do Conhecimento

“As empresas precisam desenvolver Centros de Competência, para zelarem pela Gestão do Conhecimento dos colaboradores”, pondera Marcelo Yamada.

Um dos fatores destacados como facilitador para essa tarefa é o uso de novas tecnologias: “Com esse avanço, podemos ampliar o emprego de ferramentas de tecnologia para expandir a distribuição do conhecimento e gestão de talentos”.

Tecnologia e Distribuição do Conhecimento, com Luiz Fernando de Souza

Para assistir, clique na imagem ou acesse por aqui

“A informação, por si só, não serve para muita coisa. Precisa ser trabalhada para se transformar em conhecimento. E o conhecimento, por si só, não serve para nada, se ele não for disseminado.”, apontou Luiz Fernando de Souza no início de seu discurso durante o Encontro SBGC: Pessoas Conectadas, Conhecimento Compartilhado.

Apresentando diversos dados, Luiz Fernando ressaltou um importante fator para os gestores: “O conhecimento, no mundo, dobra a cada ano. Em 2020, estima-se que o conhecimento vai dobrar a cada 73 dias.”

Evolução do Conhecimento

“A forma como aprendemos mudou muito. Ninguém quer mais sentar em uma cadeira e ver uma pessoa falar. Hoje, você vai buscar alguém que é referência no mercado e deseja aprender com pessoas que têm conhecimento tangível”, analisou Souza sobre o cenário atual.

Como alternativas para a evolução da metodologia de treinamentos, Luiz Fernando citou a aplicação de Microlearning e Gamificação, que são técnicas para acelerar o desenvolvimento de profissionais e obter maiores resultados.

Distribuição do Conhecimento Corporativo na Prática

Luiz Fernando Souza também apresentou práticas importantes para os gestores:

1. Desenvolver Uma Estratégia de Treinamentos Corporativos Online, utilizando as novas tecnologias como facilitadoras.

Algumas vantagens do treinamento online: praticidade, já que as pessoas podem acessar os conteúdos de casa ou do escritório, sem a necessidade presencial; escala, porque tem maior alcance de disseminação; controle, uma vez que uma plataforma de treinamento online permite que você crie conteúdos sob demanda, de acordo com o planejamento que você criar; dinamismo e longevidade do conteúdo.

2. Organizar e Centralizar o Conteúdo Em Um Ambiente de Fácil Acesso para Todos os Usuários.

A principal vantagem desse ponto, segundo Luiz Fernando, é “estimular a colaboração e interação entre as equipes da sua empresa, o que aumenta o engajamento”.

Além disso, ele ressalta a importância da flexibilização dos treinamentos online: “Permite que cada pessoa aprenda no seu tempo”.

3. Utilizar Canais Aderentes ao Meio Atual e Futuro

Durante sua apresentação, Luiz Fernando de Souza, da Eventials, apresentou um dado importante do Gartner: “Em 2018, 75% dos funcionário de grandes corporações irão interagir com vários formatos de vídeo, cerca de três vezes ao dia.

Souza também trouxe ao público informações referentes à pesquisa mais recente da Cisco relacionada à vídeo: “80% da internet será voltada para vídeos, em 2020”.

Como Gerenciar o Conhecimento Distribuído, com André Saito

Para assistir, clique na imagem ou acesse por aqui

Precisamos aprender a trabalhar e desenvolver a expertise das pessoas. A competência, o talento e a expertise são os fatores que impactam nos resultados das empresas”, afirmou André Saito, durante o início de seu discurso.

Saito falou também sobre a evolução da inteligência coletiva: “Com a presença intensa de novas ferramentas de distribuição e acesso a conteúdos, está mais fácil e há uma maior escala de materiais a favor do conhecimento”.

Para ter acesso à versão completa do Evento SBGC: Pessoas Conectadas, Conhecimento Distribuído, assista pela Eventials.

Leia também